ISSN: 1646-3137  
Labcom  
www.bocc.ubi.pt


Gustavo Cardoso, Contributos para uma sociologia do ciberespaço

Contributos para uma sociologia do ciberespaço

Gustavo Cardoso, ISCTE

(Publicado na Revista "Sociologia Problemas e Práticas" nº 25 , CIES, 1998)

Resumo: Este texto procura fornecer uma série de contributos para o investigador social que pretenda debruçar-se sobre a Comunicação Mediada por Computador em geral e mais particularmente pelo estudo do Ciberespaço e das interacções sociais que aí ocorrem. O conjunto das questões e problemáticas que encerram um estudo deste tipo é ilustrado através da caracterização de uma mailing list, a pt-net, e dos seus membros durante um período de 6 meses.

Uma rede internacional de computadores como a Internet, constituída por milhares de outras redes, oferece a milhões de utilizadores a oportunidade de trocarem correio electrónico (E-mail), imagens, sons, pesquisar bases de dados, trocar e obter software, ou mesmo participarem em vídeo-conferências em tempo real.

Nos últimos anos, a área de maior evolução na Internet tem sido a World Wide Web (www), a qual permite aos seus utilizadores o acesso a um ambiente rico em aplicações de texto, gráficos, animação e sons. A Web, como é conhecida, reúne assim a maioria das ferramentas actualmente disponíveis na Internet. Através de um interface gráfico denominado Browser é possibilitado, até ao mais inexperiente utilizador de computadores, o acesso à informação disponibilizada mundialmente na Web. Com um computador ligado à rede telefónica é possível ler o Expresso ou o Le Monde Diplomatique, obter bilhetes de avião na TAP ou encomendar livros às mais diversas editoras e distribuidoras internacionais e seguir, através da DHL, o percurso que os livros realizam até chegar a nossa casa.

Esta é a visão que habitualmente associamos à Internet, um espaço de consulta de informação e de milhares de "páginas" dos mais diversos tipos. No entanto a convergência entre os computadores e as tecnologias de comunicação não se limita apenas a criar um novo meio de disponibilização de informação, ela é ao mesmo tempo propiciadora de comunicação e de uma convergência de carácter social.

A par da World Wide Web, a Internet oferece-nos a possibilidade de comunicar com milhões de outras pessoas, seja numa modalidade de um para um ou de um para muitos. As ferramentas à disposição dos utilizadores são diversas e os "pontos de encontro" a que dão origem são igualmente multifacetados. De entre a multitude de exemplos propiciadores da comunicação interpessoal através da Internet, podemos salientar: os newsgroups; as mailing lists; o IRC (Internet Relay Chat); os MUDs (Multi-user-dungeons ou Multi-user-domains) e os MOOs (MUDs, Object Oriented).

Os utilizadores das redes podem, assim, aceder a cerca de 15000 newsgroups e a outras tantas mailing lists, canais de IRC ou MOOs e MUDs, onde podem discutir e trocar opiniões, desde a política ao futebol, até ao estudo de culturas e religiões das mais diversas, passando pelo estudo da língua klingon, bem como a realização de jogos de aventuras ou a pura conversa sem objectivos definidos .

A Internet não se limita, pois, a facilitar o acesso à informação ela permite igualmente a comunicação entre os membros dos mais diversos grupos e das mais diversas origens, constituindo ao mesmo tempo um meio para a formação e criação de novas relações através de um acesso quase imediato a milhares de contactos potenciais com interesses e áreas de conhecimento compatíveis com os nossos.

Este é o espaço onde locais para a discussão de interesses comuns podem facilmente surgir, os locais de interacção formam-se à medida que os interesses surgem. Locais que se tornam espaços de encontro de características virtuais onde o tempo e o espaço reais não são condicionantes da interacção entre sujeitos provenientes das zonas geográficas mais díspares.

Mas que semelhanças e diferenças podemos vislumbrar entre este tipo de comunicação e aquela a que mais usualmente nos encontramos habituados? Tal como a comunicação interpessoal, também aqui a interacção é construída com base na participação, o seu conteúdo é fruto da própria audiência. Tal como os meios de comunicação de massas, ela envolve audiências alargadas. Mas estas redes e as suas diversas parcelas não podem ser consideradas nem meios de comunicação de massas, no sentido tradicional da palavra, nem como comunicação puramente interpessoal. Encontramo-nos assim perante um novo fenómeno.

A emergência de grupos de discussão mediados por computador vem colocar-nos um conjunto alargado de questões de carácter comunicacional. Qual a estrutura e quais as interdependências que regem estas redes, ou se preferirmos qual a sua "ecologia"? Qual é o seu conteúdo temático e quais as construções subjacentes ao mesmo? Podemos encarar este meio enquanto complementar dos já existentes ou como seu substituto? Quais serão os efeitos sociais destas redes: quais as transformações para o conhecimento, para as relações económicas e de consumo, para a esfera política? Estas são apenas algumas das questões que se nos colocam na análise deste novo espaço de interacção social.

O objectivo deste trabalho não é o de obter respostas, ainda que parciais, para todas as interrogações enunciadas pois pretendeu-se, antes de mais, apresentar um trabalho de pesquisa em que se obtivesse uma caracterização inicial da população em estudo, dos conteúdos em debate e de uma primeira análise quanto à estruturação das interacções sociais aí ocorridas. Este é pois um estudo introdutório a uma nova área de investigação para as ciências sociais, e para a sociologia em particular, tendo também presente que, tal como no espaço real, também no ciberespaço cada campo de análise é fruto de uma dada realidade e como tal os resultados obtidos nem sempre são aplicáveis ao todo do universo de estudo.

A interacção social na Pt-net

Os dados e análises que constam deste artigo são fruto do estudo de uma mailing list, a Pt-net, e da troca de mensagens ocorrida entre os seus participantes durante o ano de 1996. A história da Pt-net inicia-se em 1991, tendo nesse mesmo ano incorporado os utilizadores da luknet. Em 1994, a Pt-net sofreu um novo aumento de utilizadores através da sua fusão com a lusa-net, a qual funcionava a partir dos EUA desde Outubro de 1989.

A população da Pt-net rondava 400 assinantes distribuídos por vários países, entre os quais Portugal, Brasil, Moçambique, Inglaterra, EUA, Bélgica, Dinamarca, Suécia, Noruega, Itália, Alemanha, Suíça, Japão, França, Croácia, Austrália, Polónia e Irlanda.

A Pt-net é uma lista de distribuição de correio electrónico para troca de mensagens e discussões sobre assuntos relacionados preponderantemente com Portugal, com portugueses, com todas as comunidades de língua portuguesa e lusófonos espalhados pelo mundo. Está aberta a todos os temas e notícias, desde a política doméstica à internacional, passando pelo ensino, desporto, artes, história, literatura, etc.

Não se encontra sujeita a qualquer forma de moderação, pelo que também não existe qualquer forma de censura prévia ao envio de uma mensagem, assegurando assim a livre expressão dos pensamentos dos participantes.

Apesar da lista ter origem em Portugal e ser frequentada por pessoas que se exprimem principalmente em português, é também referido no Prontuário Ético a aceitação do uso de outras línguas.

O processo de adesão à Pt-net é muito simples, bastando para tal enviar uma mensagem para o endereço majordomo@ inesc.pt com o conteúdo "subscribe Pt-net". A partir desse momento, de cada vez que o membro enviar uma mensagem com o endereço Pt-net@ inesc.pt, a mesma será enviada para todos os membros da lista.

Existe igualmente a possibilidade de saber quem são os restantes membros e, assim, poder enviar-lhes mensagens privadas, isto é, sem distribuição para outros que não o destinatário, bastando para tal enviar uma mensagem para majordomo@ inesc.pt com o comando "who Pt-net".

Enquanto assinante, existem regras a observar sendo estas disponibilizadas aos novos assinantes através do envio de um E-mail de apresentação da lista, onde se retrata o seu funcionamento e as regras que a regem. Como é referido nesse E-mail, a existência de regras justifica-se porque:

Dado que o acesso ao correio electro'nico e' pago pelo destinata'rio e na~o havendo qualquer forma de filtro universalmente estabelecido para a troca de mensagens na rede, conve'm que cada um de no's siga algumas regras elementares de cortesia, civismo e ponderac,a~o para evitar conflitos, mau estar geral e perturbac,o~es de um convi'vio que pretendemos agrada'vel e construtivo para todos.

Também no abandono da lista poucas ou nenhumas barreiras são levantadas aos membros que o desejem fazer. Resume-se o processo de saída ao envio de um mail com o conteúdo "unsubscribe Pt-net".

As questões que naturalmente se nos colocam após o primeiro contacto com uma lista deste género são evidentemente muitas mas, no geral, podemos sumarizá-las socorrendo-nos do verso de Zeca Afonso que encerra o E-mail de apresentação enviado aos recém chegados à Pt-net:

``Em terras, em todas as fronteiras.

Seja bemvindo quem vier por bem''.

-Jose' Afonso,

"Traz outro Amigo Tambe'm"

Essas questões são na sua essência: Quem são as pessoas que escolhem a Pt-net como um lugar de interacção social? Como se realiza esse acesso? Quais as motivações que as levam até lá? Como participam? Que tipo de relações sociais geram? Estas são provavelmente as questões que despertam a curiosidade dos próprios participantes e talvez por isso o número de respostas positivas aos questionários enviados tenha sido tão elevada.

Na tentativa de encontrar respostas procedeu-se à análise que se segue, baseada na recolha de informação efectuada durante seis meses na Pt-net, nomeadamente através da observação directa, questionários, entrevistas e análise de conteúdo das mensagens trocadas.

Por razões de organização e apresentação da informação recolhida, apresentamo-vos aqui apenas uma súmula dos resultados obtidos, remetendo uma análise mais aprofundada para um momento posterior.

Caracterização pessoal dos utilizadores

A caracterização pessoal que se apresenta aqui refere-se ao conjunto de dados obtidos sobre o carácter sociográfico e geodemográfico dos membros da Pt-net.

Quadro 1: Sexo dos participantes na Pt-net

Sexo

Masculino

Feminino

Total

%

82

18

100

Da análise realizada, foi-nos possível apurar que, durante o período em análise, a população da Pt-net rondou em média os quatrocentos indivíduos.

No que respeita à distribuição baseada no sexo, a população é constituída maioritariamente por membros do sexo masculino - 82%-, sendo os do sexo feminino apenas 18%. É de salientar este número, porque, geralmente, os estudos apontam para que a população feminina da Internet esteja na casa dos 10%.

Quadro 2: Intervalo de idades dos participantes na Pt-net

Idades

%

16-20

9

21-25

20

26-30

14

31-35

19

36-40

16

41-45

12

+45

10

Total

100

Quanto à idade dos membros da Pt-net, é de referir que a média de idades se encontra nos 32 anos. No que respeita à distribuição das idades, podemos observar que a grande concentração de utilizadores ocorre dos 21 aos 25 anos - 20%- e dos 31 aos 35 -19%.

Quadro 3: Nacionalidade dos membros da Pt-net

Nacionalidade

%

Portuguesa

82

Brasileira

9

Outros PLP

4

Europa

2

EUA

3

Total

100

Numa análise da nacionalidade é importante salientar que, embora os membros habitem -em diversos pontos do globo, a sua maioria possui a nacionalidade portuguesa. O inquérito foi pois, neste ponto, direccionado para a nacionalidade e não para o local de acesso à lista, pelo que os resultados espelham precisamente essa realidade. Os portugueses constituem assim a grande maioria dos utilizadores, com 82%, seguindo-se os brasileiros, com 9% e os membros de outros países de língua portuguesa, com 4%.

Estes últimos são na sua maioria moçambicanos, pois Moçambique é dos países africanos de língua portuguesa aquele que possuí uma estrutura de acesso à Internet já relativamente difundida entre os estudantes e professores universitários, em particular na Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo.

No que se refere à relação entre idades e nacionalidade, existe uma distribuição idêntica à da totalidade da população em estudo, não existindo entre as nacionalidades situações particulares a destacar.

Quadro 4: Origem sectorial dos membros da Pt-net

Origem Sectorial

%

Serviços / Comércio

49

Indústria

3

Agricultura

2

Investigador

20

Tarefas lar

1

Estudante

21

Desempregado / Procura 1º emprego

1

Outra

3

Total

100

Na caracterização da origem sectorial dos membros da Pt-net, podemos verificar que 90% da população se encontra concentrada em apenas três grupos.

As três maiores áreas são, respectivamente, serviços/comércio, com 49%, estudantes, com 21% e investigadores, com 20%.

No que diz respeito às profissões dos membros da Pt-net, o quadro que a seguir se apresenta exemplifica a distribuição existente:

Quadro 5: Profissão dos membros da Pt-net

Profissão

%

Professor ensino superior

14

Médico

2,3

Estudante

23,3

Profissional de seguros

4,7

Professor ensino secundário

7

Economista

2,3

Secretária

2,3

Técnico de informática

10,5

Investigador

7

Funcionário público

5,8

Militar

2,3

Empregado bancário

1,2

Gestor

14

Assistente social

1,2

Trabalhador independente

1,2

Outros

1,2

Total

100

Assim, apenas quatro áreas profissionais representam mais de 50% da totalidade da população. Os estudantes são o maior grupo - com 23,3% -, seguindo-se os gestores e professores do ensino superior - com 14% em cada grupo – e, por último, os técnicos de informática - com 10,5%.

Quadro 6: Grau de ensino frequentado actualmente pelos membros da Pt-net

Grau

%

Ensino complementar

3

Bacharelato

4

Licenciatura

22

Pós-graduação

20

Nenhum

51

Total

100

Mais de metade da população - 51%- não frequenta nenhum grau de ensino. De entre os que frequentam, os estudantes de licenciatura estão em maior número - com 22% -, seguindo-se os que se encontram a concluir pós-graduações - 20%.

Em termos de sexos, entre a população masculina, 55% não frequenta actualmente nenhum grau de ensino. Entre a população feminina dá-se a situação inversa, pois apenas 26% não frequenta actualmente um curso.

Forma de acesso à Internet

Neste ponto procede-se à caracterização das formas de acesso à rede por parte dos membros da Pt-net, de forma a detectar disparidades que possam por sua vez, eventualmente, interferir com os modelos de participação na lista.

Quadro 7: Plataformas usadas no acesso à Internet

Plataformas

%

Unix

17

VMS

1

Macintosh

7

Windows

64

NS / NR

1

Várias

10

Total

100

Em termos de sistemas operativos e do software utilizado pelos membros para aceder à Internet e à própria Pt-net, verifica-se que o Windows é a plataforma mais usada - com 64%-, seguindo-se o Unix - com 17% - e o Macintosh - com apenas 7%. É também interessante salientar que já 10% dos utilizadores acedem à Internet através de vários sistemas operativos, denotando uma literacia digital elevada.

Quadro 8: Ponto de acesso à Internet

Ponto de acesso

%

Privado / Casa

47

Empresa

14

Universidade

30

Outra

1

Várias

8

Total

100

Ao nível do ponto de acesso primário à Internet, é importante verificar que a actual distribuição inverteu já o ciclo histórico do acesso. Senão vejamos, o acesso à Internet começou pelas universidades, passou às empresas e só posteriormente começou o seu processo de generalização aos utilizadores individuais. Actualmente, entre os membros da Pt-net, 47% já se encontram ligados a partir de casa, contra 30% na universidade. Este é, porventura, um dos sinais da expansão do acesso da Internet a um conjunto cada vez mais alargado de cidadãos.

Por nacionalidades, a distribuição mantém-se, pois tanto no caso português como no brasileiro a ligação a partir de casa já suplanta os acessos a partir da universidade - respectivamente 48% contra 30%, e 44% contra 22%.

Em termos da distribuição por sexos, as mulheres acedem mais a partir da universidade - com 55% - e os homens a partir de casa - 52%.

Existem também diferenças entre as plataformas usadas a partir dos diferentes pontos de acesso, pois os que acedem a partir de casa usam maioritariamente o Windows - 89% -, os que se encontram nas empresas já repartem esse acesso entre o Windows e o Macintosh - respectivamente com 71% e 14%. Nas universidades o panorama é diametralmente oposto, pois o Unix é a plataforma mais usada - com 51% - seguindo-se o Macintosh - com 28% - e em último o Windows - com 24%.

Quadro 9: Ligação diária à Internet

Duração da ligação

%

Até 30 minutos

29

Entre 30 minutos e 1 hora

30

Entre 1 e 3 horas

25

Mais de 3 horas

16

Total

100

A duração da ligação diária à Internet é outro dos dados importantes para perceber como se processa a interacção entre os utilizadores no ciberespaço e de que forma essa utilização produz efeitos nos próprios ritmos de vida.

Entre os membros da Pt-net, é usual estar pelo menos até 30 minutos ligado diariamente, sendo que uma parcela significativa da população passa já mais de uma hora ligada à Internet - 41%. No entanto, aqueles que utilizam a Internet durante mais de três horas diárias são apenas 16%.

A distribuição por ponto de acesso parece indicar que os utilizadores que acedem a partir de casa tendem a não exceder uma hora de ligação - 34% até 30 minutos e 32%até uma hora. A partir da empresa, 50% não excede os 30 minutos de ligação, sendo na universidade que se concentram aqueles que acedem diariamente durante períodos mais alargados de tempo - com 51% de utilização superior a uma hora. Esta situação tem certamente a ver com o facto de o acesso a partir da universidade não ser tarifado ao utilizador, ao contrário dos acessos a partir de casa e da empresa, onde o utilizador tem de pagar o acesso e as chamadas telefónicas para o POP respectivo.

As mulheres passam mais tempo ligadas: 45% estão ligadas à Internet pelo menos durante uma hora, enquanto entre os homens apenas 37% o faz.

Participação e utilização da Pt-net

Com esta análise pretende-se dar a conhecer os hábitos e formas de participação dos membros da Pt-net, de forma a proceder ao enquadramento dos processos de socialização que aí decorrem.

Quadro 10: Duração da participação em mailing lists

Duração

%

Há menos de 3 meses

14

Entre 3 e 6 meses

12

Entre 6 meses e 1 ano

19

Desde há 1 ano

4

Há mais de 1 ano

51

Total

100

De entre a população da Pt-net, mais de metade já participa há mais de um ano, sendo 14% aqueles que se encontram há menos de três meses. Através da recolha de dados complementares, foi possível concluir que a Pt-net possui uma taxa de entrada de novos membros de 23% e uma taxa de saídas de 21%, pelo que se trata de uma mailing list com uma taxa de crescimento positiva.

Confirmando algumas análises realizadas no ponto de "caracterização do acesso", nomeadamente sobre o alargamento do número de utilizadores da Internet a outras parcelas da população que não apenas as académicas, é possível afirmar que 86% dos membros da Pt-net, com acesso a partir da universidade, estão na lista há mais de um ano enquanto 71% daqueles que têm acesso a partir de casa só são membros há menos de um ano. Uma análise a partir da situação face ao trabalho e profissões leva-nos a conclusões idênticas, pois 91% dos professores, 66% dos investigadores e 60% dos estudantes encontram-se na Pt-net há mais de um ano, enquanto, por exemplo, 66% dos técnicos de informática, 80% dos funcionários públicos e 58% dos gestores só são membros há menos de um ano. Podemos assim concluir que se está a processar uma alteração do panorama da Pt-net - a par da própria realidade da Internet -, sendo cada vez maior o número de utilizadores que se encontra fora da comunidade académica.

Em termos de nacionalidades, os portugueses são os que estão na Pt-net há mais tempo, seguindo-se os moçambicanos e, por último, os brasileiros.

Numa análise por sexos, parece existir um equilíbrio entre as datas de entrada para a lista por parte de homens e mulheres, facto a que não deverá ser alheio o número de mulheres que frequenta o ensino superior.

Quadro 11: Tipos de funcionamento preferidos em mailing lists pelos membros da Pt-net

Funcionamento

Moderadas

Não moderadas

NS / NR

Total

%

41

46

13

100

Quanto aos modelos de funcionamento e gestão de mailing list, os membros da Pt-net preferem as listas não moderadas às moderadas, respectivamente 46% contra 41%. A pequena diferença percentual entre as duas opções pode eventualmente ser explicada se tivermos em atenção as respostas dadas nos questionários por alguns membros, os quais referiam preferir listas moderadas para temas especializados e listas não moderadas para temas de carácter geral - como é o caso da abordagem na Pt-net.

Outra questão a ser levada em conta para esta discussão é o facto de quem acede a partir de casa preferir listas moderadas - 50%. Tal situação poderá ficar a dever-se ao facto de o utilizador ter de suportar os custos da ligação e como tal lhe interessar receber mensagens com os conteúdos que espera e sempre que possível não pagar o "lixo" que chega à sua caixa de correio.

Entre os membros da Pt-net a taxa de participação activa é de 24,45%, sendo o número médio de participantes diários activos de 17. Isto é, apenas um quarto do total da população envia "posts" para divulgação na lista, os restantes limitam-se a ler as mensagens trocadas e as discussões tidas. Esta tendência só tende a sofrer alterações quando algo de muito grave ocorre e perturba o normal funcionamento da lista atingindo assim directamente todos os membros. Um exemplo é o envio exagerado de mensagens de erro, repetidas ou sem interesse que ao encher as caixas de correio de alguns utilizadores provoca a sua intervenção activa com o intuito de "repor a normalidade". Passada essa situação os utilizadores, em geral, remetem-se de novo a uma posição de maior passividade.

Quadro 12: Frequência de posts na mailing list

Frequência

%

Todos os dias

7

Entre 6 e 4 vezes / semana

10

Entre 2 a 4 vezes / semana

20

Menos de 2 vezes /semana

28

Entre 1 e 0 vezes / semana

35

Total

100

De entre os que habitualmente participam, a maioria - 63% - coloca posts, para divulgação através da lista, menos de duas vezes por semana. Uma percentagem não estimada chega por vezes a não enviar nenhum durante uma ou mais semanas. Apenas 17% envia posts mais de quatro vezes por semana.

Pelos dados disponibilizados, parece não existir relação directa entre a antiguidade e a participação mais activa, pois tanto os que pertencem à Pt-net há mais de um ano como aqueles que apenas lá estão há menos de três meses possuem uma distribuição de frequência de envio de posts semelhante. Também a profissão parece não influenciar o grau de participação dos membros.

A frequência de envio de posts parece ser, antes de mais nada, determinada pelo interesse dos temas em discussão e por motivos da própria personalidade dos participantes, variando assim em função das suas capacidades comunicativas.
 

Quadro 13: Tipo de post colocado na Pt-net

Tipo de post

Privados

Públicos

NS / NR

Total

%

38

59

3

100

Os posts enviados para a Pt-net por parte dos seus membros são na sua maioria públicos - 59% - mas a verificação de que existem 38% de utilizadores que comunicam com outros membros maioritariamente por via privada merece ser analisada. Isto porque não só reafirma a necessidade da existência de espaços privados, para além do espaço público que é a Pt-net, como também ilustra de forma exemplar a criação de relações sociais de carácter privado a partir da interacção num espaço público.

Uma outra questão relacionada com a participação e utilização da Pt-net é o facto de cada membro não limitar a sua participação a um número pré-estipulado de posts, pelo que um mesmo membro pode enviar uma ou duas dezenas de mensagens enquanto que outro pode se limitar a enviar apenas uma.

A análise relacional entre o número de membros e número de mensagens é importante para que se possa efectivamente apurar qual a vitalidade do funcionamento da lista pois, na maioria das situações, a um aumento do número de mensagens trocadas corresponde um aumento dos temas abordados e, consequentemente, um maior número de intervenientes nas discussões em curso.

 

Em termos de média, a Pt-net durante o período de seis meses em análise deu origem a cerca de 30 mensagens diárias, o que no total do período corresponderia a uma média de 11 mensagens por participante. A média de discussões em curso entre os membros da Pt-net foi de 13 tendo uma duração média de 4 dias.

Outra das análises realizada, e que nos permite apurar, não só da vitalidade do funcionamento da lista, mas também do grau de interacção social que se gera entre os seus membros, é o tipo de mensagens trocadas na Pt-net.

As mensagens foram analisadas com base na terminologia e método exposto por Sproull e Faraj no seu trabalho intitulado Athaeism, Sex and Databases . Por forma a tornar a terminologia mais abrangente foram ainda incorporadas duas outras classificações às três já existentes.

Assim, por mensagens solo pretende-se referir as mensagens enviadas que não deram origem a qualquer resposta pública, por mensagens semente referimo-nos às mensagens que geram respostas criando um "thread" ou discussão do seu conteúdo, mensagens resposta são aquelas que são originadas pelas mensagens semente. A este núcleo juntam-se ainda as mensagens colectivas as quais não têm um intuito de obter resposta mas simplesmente divulgar algo como poesia, notícias, etc; e as mensagens de erro que resultam do uso inadvertido de comandos, de mail-bombing ou mesmo de avaria do sistema de distribuição da lista.

 

Quadro 14: Tipos de mensagens trocadas na Pt-net

Tipos de mensagens

%

Mensagens solo

17

Mensagens semente

15

Mensagens resposta

63

Mensagens colectivas

3

Mensagens erro

2

Total

100

Como se pode verificar, o grande volume de mensagens trocadas são mensagens de resposta - 63% -, sendo as mensagens semente que as originam apenas 15%. Para possibilitar uma análise que permita assegurar se o grau de interacção social na lista é ou não elevado, recorreu-se à realização de uma análise comparativa com uma lista de carácter semelhante - generalista e dedicada a temas relacionados com um povo ou língua - a soc.culture.lebanon. Esta lista foi previamente estudada por Sproull e Faraj o que possibilitou à disponibilização de informação já classificada e um bom ponto de partida para a análise.

A soc.culture.lebanon possui uma percentagem maior de mensagens solo do que a Pt-net - respectivamente 30% contra 17% - o que releva a análise para o carácter de maior coesão social da própria Pt-net. Pois, mesmo que considerássemos as mensagens colectivas e de erro enquanto mensagens solo, obteríamos apenas 22% contra os 30% da soc.culture.lebanon.

É assim possível entrever o grau de entre-ajuda entre os membros. A existência de um número diminuto de pedidos de ajuda e de informação que fiquem sem resposta na Pt-net fica provavelmente a dever-se a um elevado grau de entre-ajuda existente.

Outro facto a constatar é o de que embora o número de mensagens semente da Pt-net seja inferior ao da soc.culture.lebanon - 14% contra 18% - o número de mensagens resposta na Pt-net é superior - 62% contra 50%. Esta situação, associada ao facto de o número de membros da soc.culture.lebanon ser de 13000 contra os 400 da Pt-net e de o número de mensagens trocadas naquele ser em média 8 e na Pt-net 30, leva-nos a concluir ser o grau de interacção social na Pt-net bastante elevado. Mas devemos também tomar em conta que a disparidade de resultados entre a Pt-net e a soc.culture.lebanon pode também ficar a dever-se ao facto de esta última ser um grupo da Usenet e como tal não possuir algo semelhante a uma formalização da adesão e boas vindas aos novos membros - como na Pt-net acontece por via do envio do prontuário ético.

Conteúdos das mensagens trocadas na Pt-net

A análise de conteúdos das mensagens trocadas na Pt-net tem, para esta investigação, dois tipos diferenciados de objectivos. Por um lado, determinar qual o grau de interdependência entre a interacção praticada no mundo "real" e a interacção social ocorrida no ciberespaço, mais concretamente na Pt-net. Por outro lado, pretende traçar um mapa das diferentes questões abordadas de forma a permitir um melhor conhecimento do funcionamento da lista e dos processos em que decorre a interacção e socialização dos seus membros.

Quadro 15: Origem dos conteúdos da Pt-net

Origem

Interna

Externa

Total

%

32

68

100

As mensagens trocadas na Pt-net apresentam em média uma dimensão de 40 linhas de texto. Dessas em média 63% são linhas novas produto da contribuição do próprio utilizador que envia a mensagem para a lista, sendo o restante citações de mensagens anteriores. Quanto ao número de mensagens que incluí citações ele atinge 55% do total das mensagens trocadas. Estes valores, quando comparados com outras listas, encontram-se na média das observações registadas.

A maioria das mensagens trocadas - 68% - aborda a discussão de temas com origem em outros espaços de interacção social que não a Pt-net.

Quadro 16: Origem dos conteúdos internos

Conteúdos internos

%

Attached files

2

Acentos e pontuação

4

Erros e mensagens vazias

4

Spammers e chain letters

2

Assinaturas

2

Opiniões sobre os membros

37

Regras de convivência

7

Número de mensagens membro

3

Pedidos de ajuda

14

Boas vindas e despedida

12

Mensagens de agressão

3

Opiniões sobre a rede

3

Opiniões sobre a comunidade

8

Total

100

Embora só 32% abordem questões cuja origem remete para o próprio funcionamento da lista, o valor atingido é já por si só um indicador importante pois traduz-se em mais um indício da existência de um espirito de pertença por parte dos seus membros.

Como se pode verificar os cinco temas mais abordados nas mensagens trocadas e cujos conteúdos foram classificados como internos são: opiniões sobre membros - 36% ; pedidos de ajuda - 14%; boas vindas e mensagens de despedida - 12%; opiniões sobre a comunidade - 8% - e regras de convivência na Pt-net - 7%. São assim conteúdos que abordam essencialmente temas cuja origem está nas sociabilidades adquiridas durante a sua permanência na Pt-net e também nas regras que permitem a continuação da interacção social nesse espaço. 

Gráfico 17: Origem dos conteúdos externos

Conteúdos externos

%

Religião

3

Desporto

4

Política nacional portuguesa

26

Política internacional

6

Software, computadores e redes

8

Cultura, autores e obras

7

Ecologia e ambiente

2

Moçambique

0

Brasil

4

Diversão, adivinhas e anedotas

7

Direitos humanos

3

Educação e ensino

3

Notícias e informação

3

Ciência e investigação

5

Linguagem, gramática e fonética

3

História de Portugal

3

Convívio e sociedade

7

Sexo, género e família

2

Culinária e tradições

2

Publicidade, marketing e soc. de consumo

1

Total

100

Como se pode observar a politica portuguesa é o tema mais vezes abordado entre os membros da Pt-net - 26%-, seguindo-se os temas relacionados com a informática - 8%-, as questões culturais e os temas de diversão - 7%.

A análise do valor percentual atingido pelas mensagens cujo conteúdo tem origem no exterior da Pt-net é também uma indicação da forma como as interacções sociais que se desenrolam no ciberespaço sofrem também influências de ambientes externos.

Motivações e opiniões dos utilizadores

Da análise dos dados obtidos quanto à opinião dos membros da Pt-net sobre o aspecto que mais lhes agrada na sua participação, é de salientar que as opções que refletem uma busca desinteressada de informação e que indicam como objectivo principal o convívio, representam 58% do total das escolhas.

Quadro 18: Objectivo da participação em mailing lists

Objectivo

%

Discutir temas de particular interesse

30

Discutir diversos temas

35

Pessoas e amizades

8

Espaço alternativo

15

Todas

10

Outras

2

Total

100

Assim a "possibilidade de participar na discussão dos mais diversos temas" recolhe 35% das preferências; "conhecer pessoas de outros locais e criar amizades" obtem 8% e por fim a "criação de um espaço alternativo de convívio e entre - ajuda " 15%.

Em sentido contrário a procura de informação sem outros objectivos associados recolhe uma menor parcela das escolhas, pois a opção "prazer da troca de opiniões nos assuntos de particular interesse" obtém apenas 30%.

Desta análise pode-se concluir ser a adesão à Pt-net mais motivada pelo intuito de realizar interacção social do que com o intuito de obter informação. Sendo a obtenção de informação algo que decorre naturalmente do encontro e interacção com outros actores sociais.

Quanto à influência que o tempo de permanência na Pt-net poderá ter na formação da opinião dos membros sobre o que os motiva mais, parece não existir relação clara entre as duas questões. Parecem, pois, reger-se mais por objectivos pré-determinados e pela manutenção dos objectivos iniciais que presidiram à motivação para a sua adesão.

A reter é também o facto de as motivações diferirem quando a população é analisada em função das nacionalidades. Assim se os portugueses optam em maior número - 38,5%- pela "possibilidade de participar na discussão dos mais diversos temas", já os brasileiros referem quase na sua maioria - 50%- " conhecer pessoas de outros locais e criar amizades". Estas opções diferenciadas permitem entrever a possibilidade da Pt-net funcionar para os membros brasileiros tal como se a sua presença virtual se assemelhasse a uma deslocação em viagem a um qualquer país. Assemelhando-se a sua atitude face à Pt-net à atitude que normalmente um turista poderá desenvolver face a um destino turístico em que o objectivo seja a realização de amizades e onde se procura conhecer os usos e costumes locais. Pelo contrário para os portugueses, que estiveram na sua origem, a Pt-net é encarada como um espaço de convívio onde ocasionalmente surgem pessoas de outros locais. Estamos assim, novamente, perante uma constatação da influência que os comportamentos e valores adquiridos a priori no mundo físico ou "real" têm na construção das interacções sociais no ciberespaço.

Quadro 19: "Mailing list é pertença de todos os seus membros, logo todos devem participar colocando posts para que a lista se mantenha activa".

Concordo

Discordo

NS / NR

Outras

Total

66

29

3

2

100

O objectivo da colocação desta questão foi o de determinar o grau de interiorização de cada membro face à possibilidade de a Pt-net ser entendida não apenas enquanto uma lista de discussão mas também como uma comunidade, ou seja, salientando a necessidade do contributo de todos para a manutenção de um bem que se supõe colectivo.

Como se pode verificar, a opção recaiu maioritariamente - 66%- sobre a perspectiva afirmativa. As respostas discordantes devem ser entendidas através das explicações apresentadas por alguns dos seus membros e que referem que "só deverá participar quando houver algo de interessante para dizer", ou ainda que "se concorda que todos podem participar mas que discorda se todos o devem fazer". Devemos ainda tomar atenção ao facto de 75% dos que afirmam discordar se encontrarem na lista há mais de um ano. Estamos assim perante uma tomada de posição por parte dos membros da lista mais baseada no cumprimento das regras estabelecidas do que perante uma discordância quanto ao facto de a Pt-net poder ser ou não considerada uma comunidade.

Desta análise podemos concluir da existência de um elevado sentido de pertença relativamente à Pt-net, pois mesmo quando são salientadas posições de discordância quanto á participação de todos, a justificação invocada refere a protecção do bem estar de todos os seus membros e não qualquer outra razão. Pode-se assim verificar existir um consenso na classificação da Pt-net enquanto uma comunidade.

O comportamento esperado face aos novos utilizadores é outro dos indicadores que nos permite verificar da maior ou menor percepção, por parte dos membros, de um conjunto de regras que embora não se encontrem escritas, podem, no entanto, ser inferidas e utilizadas como reguladoras dos processos de interacção social.

Quadro 20: Comportamento esperado dos novos utilizadores da Pt-net

Comportamento

%

Fazer apresentação / começar

26

Fazer apresentação / observar

61

Não fazer apresentação / começar

1

Não fazer apresentação / observar

12

Total

100

Uma larga maioria - 97%- acha que os novos membros devem realizar uma apresentação aos membros da lista, afirmando 61% a necessidade dos mais novos não começarem de imediato a participar socorrendo-se da observação dos mais experientes antes de iniciar uma participação plena na lista.

Se analisarmos a distribuição dos resultados pelo tempo de permanência na lista verificamos que em todas as categorias existe uma escolha maioritária da opção "fazer apresentação e observar". Apenas entre os membros há menos de 3 meses na lista existe uma distribuição igual entre a opção "fazer apresentação e começar a participar" e "fazer apresentação e observar", pelo que podemos inferir da existência de um elevado grau de socialização dos novos membros. Também a distribuição de opiniões face às diversas origens profissionais dos membros, parece reflectir esse elevado grau de socialização, não apresentando variações significativas face aos dados obtidos. Pelo que parece ser possível inferir que os códigos que regem as relações dentro da lista se sobrepõem a qualquer outra aprendizagem realizada no mundo "real".

Os resultados apurados são pois bastante expressivos quanto à percepção de regras informais por parte dos utilizadores e à sua aplicação por parte destes.

Outra das questões colocadas aos membros da Pt-net foi a da importância ou não da alteração do meio escrito actualmemte utilizado para um outro onde a imagem dos utilizadores fosse igualmente difundida junto com o texto.

A resposta a esta questão é importante na medida em que nos permite perceber se o relativo anonimato associado a este meio de comunicação desempenha ou não um papel central na modelação das próprias relações sociais.

Quadro 21: Utilização de imagem junto com E-mail

Utilização

Sim

Não

NS / NR

Outras

Total

%

35

52

9

4

100

Da observação dos resultados e das entrevistas realizadas podemos afirmar que o anonimato é um factor considerado essencial por muitos -52%- na utilização deste meio. O que é confirmado pela distribuição de resultados quando se procede à análise por plataforma utilizada, pois mesmo aqueles para quem tal opção seria tecnicamente viável a recusam.

No entanto um número ainda bastante significativo -35%- parece ver com agrado a introdução de imagem de forma a que se possa associar um rosto às ideias discutidas por um dado membro. Essa necessidade é certamente fruto do facto de no mundo "real" a interacção entre indivíduos estar muito associada à presença do corpo, pelo que é natural que de futuro sejamos confrontados com sistemas que permitam juntar a imagem ao texto. No entanto, é possível antever que dado existir o entendimento da necessidade de preservar o anonimato e a privacidade nos meios electrónicos, aquela tenderá a ser mantida através da introdução de mecanismos como os de imagens virtuais, podendo assim o utilizador optar entre diversas personagens à sua disposição.

O anonimato parece ser assim considerado como uma das vantagens associadas a este meio de comunicação, o que espelha o seu contributo para a formação dos tipos de interacção que ocorrem no ciberespaço.

Outra das áreas de interesse para o investigador social que se debruça sobre a realidade do ciberespaço é a da organização política, existindo um interesse em conhecer como aqueles processos se desenvolvem em listas como a Pt-net.

Ao questionar os membros sobre se devem ou não existir sanções, tem-se como objectivo detectar o surgimento, ou não, da necessidade de formalização de regras de punição dentro de uma lista como a Pt-net - tentando, assim, encontrar sinais claros daquilo a que Richard Mackinnon chama sinais de Leviathan , baseando-se no princípio explicitado por Hobbes de que o medo da morte ou das feridas dispõe o homem à obediência a um poder comum. No caso da Pt-net as respostas aos medos, ou sinais de Leviathan, podem ser inferidas através da maior ou menor vontade por parte dos membros de introduzir uma maior moderação da participação ou da imposição de sanções face a comportamentos entendidos como desviantes.

Quadro 22: Existência de sanções aplicadas aos transgressores na Pt-net

Sanções

Sim

Não

Em alguns casos

NS / NR

Total

%

59

11

26

4

100

Como se pode verificar, 59% dos inquiridos são favoráveis à aplicação de sanções como meio de pôr fim aos prejuízos que os transgressores provocam.

Esses prejuízos podem ser vistos segundo uma dupla óptica, a dos utilizadores individuais e da Pt-net enquanto um todo. Isto porque as transgressões atingem os utilizadores enquanto indivíduos isolados, uma vez que os que acedem a partir de casa suportam directamente os custos referentes às mensagens enviadas em excesso para a lista mas também prejudicam o próprio funcionamento da lista, uma vez que impedem a normal comunicação.

A necessidade de existência de sanções é assim uma preocupação partilhada por todos os membros da Pt-net, independentemente do seu ponto de acesso se localizar em casa ou na universidade pois as leituras da distribuição por pontos de acesso confirmaram a opção, maioritária, pela aplicação de sanções aos transgressores.

É assim possível afirmar que as interacções sociais na Pt-net manifestam os primeiros embriões de uma maior formalização de uma estrutura política que reflicta direitos e deveres dos seus membros.

As novas relações sociais no ciberespaço. Pistas para reflexões futuras.

O facto de o ciberespaço ser ainda um meio de comunicação e participação relativamente novo trouxe a uma pesquisa deste género acrescidas dificuldades, no entanto foi possível, através da observação dos actores sociais que se movimentam neste novo espaço, traçar uma série de primeiras conclusões que permitirão a futuras pesquisas comprovar a sua exactidão ou proceder a eventuais reformulações.

À procura de socialização e informação. As comunidades virtuais existem.

Se tivermos presente a definição de comunidade apresentada por Anne Beamish, e ao mesmo tempo olharmos para a caracterização efectuada, da Pt-net e dos seus membros, temos sem dúvida de concordar que estamos perante um grupo social não sujeito a padrões de dimensão específicos, em cuja base de formação está a partilha de interesses comuns, de tipo social, profissional, ocupacional ou religioso no qual não se procura apenas informação, mas também pertença, apoio e afirmação. Assim e apesar daquilo que o seu nome pode indiciar, as Comunidades Virtuais existem. Nelas as interacções sociais estão presentes, as sociabilidades ocorrem e os processos de socialização são igualmente complexos.

Embora os dados apurados na Pt-net não possam ser imediatamente generalizados à totalidade dos campos do ciberespaço e aos seus respectivos utilizadores parece no entanto ser possível presumir que um alargado número de pessoas não limita a sua acção no ciberespaço à procura isolada de informação. O espaço virtual, ou ciberespaço, assume-se assim enquanto novo campo de análise dos actores sociais e das suas interacções.

A interdependência entre espaço físico e ciberespaço.

Uma outra questão implícita a qualquer estudo que tenha como objecto o Ciberespaço e a Comunicação é saber até que ponto as novas relações sociais que ocorrem no Ciberespaço sofrem influências e influenciam também o espaço físico ou "real" .
Os diversos dados recolhidos apontam para o facto de não estarmos perante dois espaços estanques onde o que ocorre num não influencia o outro. A interdependência deve pois ser entendida como existente, bastando para tal lembrar que a maioria das questões abordadas na Pt-net tem origem no exterior do ciberespaço e que no sentido inverso podemos encontrar a realização de jantares e outros encontros informais entre indivíduos que iniciaram o seu relacionamento social como membros da Pt-net.

As interacções sociais que ocorrem no ciberespaço assumem contornos e características diferentes daquelas que estamos habituados a presenciar no nosso dia a dia no mundo "real" e, portanto, podem realmente ser designadas, como refere David Lyon, por "Novas Relações Sociais". No entanto não representam uma completa novidade, no sentido em que sofrem também influências da aprendizagem social ocorrida no mundo "real". Baseado nos dados recolhidos penso que teremos de concordar com David Lyon quando este afirma que as "Novas" relações sociais podem estar a surgir apenas no sentido da modificação, não no da mais completa novidade.

Estamos assim perante uma nova noção de espaço, onde físico e virtual são mutuamente influenciáveis, proporcionando um campo fértil para a emergência de novas formas de socialização, de modos de vida e de organização social.

Mestre em Sociologia, Docente do Departamento de Ciências e Tecnologias da Informação do ISCTE
 

BIBLIOGRAFIA

Livros e artigos

Benedikt, Michael, Cyberspace: First Steps, Cambridge, MA, MIT Press, 1991.

Bolter, J., Writing Space: The Computer, Hypertext and the History of Writing, Lawrence Erlbaum, Hillsdale, NJ, 1991.

Bourdieu, Pierre & Passeron, J., Reproduction in Education, Society and Culture, 1990.

Bourdieu, Pierre, Homo Academicus, Stanford University Press, 1984.

Bourdieu, Pierre, O Poder Simbólico, Lisboa, Difel, 1989.

Conley, Varena (ed.), Rethinking Technologies, Minneapolis, University of Minnesota Press, 1993.

Contractor, N. S. and Eisenberg, E. M., «Communication networks and new media in organizations», in J.Fulk and C. W. Steinfield (eds.), Organization and Communication Theory, Newbury, CA, Sage, 1990.

Cooke, Kevin and Leher, Dan, The Whole World is Talking, Posted in Usenet by one of the authors, 1993.

Costa, António Firmino da, «A pesquisa de terreno em sociologia», Metodologia das Ciências Sociais, Porto, Edições Afrontamento, 1986.

Detweiler, D., Identity, Privacy and Anonimity on the Internet, 1993.

Drucker, Peter F., A Sociedade Pós-Capitalista, Difusão Cultural, 1993.

Dunlop, C. and Kling, R. (eds.), Computerization and Controversy. Value Conflicts and Social Choices, San Diego, Academic Press, 1991.

Emmott, Stephen J. (ed.), Information Superhigways,Mmultimedia Users and Futures, Academic Press, 1995.

Ermann, M. D. , Williams, M. B. and Gutierrez, Computers, Ethics and Society, Oxford University Press, 1990.

Ferreira, Vírginia, «O Inquérito por questionário na construção de dados sociológicos», Metodologia das Ciências Sociais, Porto, Edições Afrontamento, 1986.

Gellner, Ernest, As Condições da Liberdade, Lisboa, Gradiva - Trajectos, 1995

Gellner, Ernest, Nações e Nacionalismos, Lisboa, Gradiva - Trajectos, 1993.

Gibson, William, Neuromancer, New York, Ace, 1984.

GIDDENS, Anthony, As consequências da Modernidade, Celta Editora, 1995.

Giddens, Anthony, Novas Regras do Método Sociológico, Lisboa, Gradiva, 1996.

GIDDENS, Anthony, Sociology, Polity, 1995.

Habermas, Jurgen, The Structural Transformation of the Public Sphere, Polity Press, 1989.

Harasim, L. (ed.), Global Networks: Computers and International Communication, Cambridge MA, MIT Press, 1993.

Haraway, Donna, «A cyborg manifesto: science, technology, and socialist-feminism in the late twentieth century», in Simians, Cyborgs, and Women: the Reinvention of Nature, New York, Routledge, 1991.

Hobbes, Thomas citado em A History of Modern Political Thought, Blackwell, 1992.

Jones, Steve, (ed.) Cybersociety, New York, Sage., 1994.

KAHIN, B. and Keller, J. (eds.), Public Acess to the Internet, MIT Press, 1995.

Kollock Peter, and Smith, Marc, The Sociology of Cyberspace: Social Interaction and Order in Computer Communities, Thousand Oakes, CA. Pine Forges Press, 1995.

Kukatas, Chandran, Rawls - "Uma Teoria da Justiça" e Seus Críticos, Lisboa, Gradiva, 1995.

Lanham, R.A, The Electronic Word: Democracy, Technology and the Arts, University of Chicago, 1993.

Lea, Martin, Contexts of Computer Mediated Communication, Harvester Wheatsheaf, 1992.

Lyon, David, A Sociedade da Informação, Oeiras, Celta, 1988.

Lyon, David, The Electronic Eye: The Rise of Surveillance Society, Minneapolis, University of Minnesota Press, 1994.

Lyotard, Jean François, A Condição Pós-Moderna, Lisboa, Gradiva, Trajectos, 1989.

Maddox, Tom, After the Deluge: Cyberpunk in the ‘80 and ‘90, American Library Association, 1992.

Negroponte, Nicholas, Ser Digital, Caminho, 1996.

Oliveira, José Manuel Paquete de, «A integração europeia e os meios de comunicação social», in Análise Social, 118/119, 1992.

Poster, Mark, CyberDemocracy: Internet and the Public Sphere, Irvine, University of California, 1995.

Poster, Mark, Postmodern Virtualities, Irvine, University of California, 1995.

Poster, Mark, The Second Media Age, Cambridge, Polity, 1995.

Raymond, Eric (ed.), The New Hacker’s Dictionary, Cambridge, MA, MIT Press, 1993.

Reich, Robert, O Trabalho das Nações, Lisboa, Quetzal, 1993.

Reid, Elizabeth, «Virtual worlds:culture and imagination», Cybersociety, Sage, 1995.

Rheingold H., Virtual Community, Addison-Wesley, 1994.

Rheingold, H., Virtual Reality, New York, Simon and Shuster, 1991.

Rheingold, Howard, The Virtual Community, Addison-Wesley, 1993.

Shade, Leslie Regan, Gender Issues in Computer Networking, Free-Net Conference, 1993.

Sproull, Lee and Keisler, Sara, Connections: New Ways of Working in the Networked Organization, Cambridge, MA, MIT Press, 1992.

STERLING, Bruce, «Outer cyberspace», Magazine of Fantasy and Science Fiction, 1992.

Sterling, Bruce, The Hacker Crackdown: Law and disorder on the Electronic Frontier, Bantam, 1992.

Tauss, Jorg, Sociedade da Informação: Media e Técnica de Informação, Fundação Frederich Ebert, Bona, 19 de Julho de 1995.

Vala, Jorge, «A análise de conteúdo», in Metodologia das Ciências Sociais, Porto, Edições Afrontamento, 1986.

Wooley, Benjamin, "Virtuality" and "Cyberspace". Virtual Worlds: A Journey in Hype and Hyperreality, Cambridge, MA, Blackwell, 1992.

Zimmermann, Philip, Testimony to the subcommittee for economic policy, trade and the enviromnent, US House of Representatives, 1993.

 

 Para submeter textos clique aqui
index    |    autores    |    títulos    |    escolas    |    ano    |    recursos
Catarina Moura