ISSN: 1646-3137  
Labcom  
www.bocc.ubi.pt


Frederico Lopes, Audiovisuais e Ensino
Audiovisuais e Ensino
Frederico Lopes, Universidade da Beira Interior
Esclarecimento prévio:
O que se entende por audiovisual
 
Utilizo o termo audiovisual como uma denominação técnica concebida em função de um produto obtido por um determinado meio de comunicação de massa. E utilizo-o ainda, em sentido estrito, para designar aqueles meios que permitem a transmissão de som e imagem, componentes que, no processo audiovisual, estão "condenadas" a complementar-se. Assim sendo, incluem-se nas formas sonoras: o diálogo; a música; o som ambiente e os ruídos. Nas imagens, que podem ser fixas e em movimento, incluem-se: as imagens figurativas e as imagens não-figurativas.

Neste momento, podemos incluir nos meios audiovisuais, assim definidos: a televisão (o meio audiovisual mais popular e com maior impacto social, por enquanto); o cinema (o meio audiovisual por excelência); o vídeo (o mais prático para alimentar o mito do individualismo); o diaporama (o mais espectacular precursor do multimedia) e os sistemas informáticos hipermedia (1) (a mais recente e a mais revolucionária arma audiovisual, agora em pleno desenvolvimento).
Como diz Cazeneuve, "a expressão audiovisual é uma denominação técnica. Põe a tónica sobre o material utilizado e, portanto, sobre o produto obtido. Mas, em resumo, o que conta é o meio, mais do que a mensagem".(2)

1 - No domínio da informática, o multimedia é uma subdivisão do hipermédia, que combina os elementos do multimedia com o hipertexto, servindo este para interligar as informações. Multimedia é mais um termo ambíguo, a juntar a tantos outros neste domínio. Mas, vulgarmente, multimedia é a combinação de som, gráficos, animação, e vídeo. Vulgarmente, também, ao falar-se do multimedia é do multimedia informático que se trata. -- up

2 - Jean Cazeneuve, dir. Guia alfabético das comunicações de massas, Lisboa, Edições 70, 1976, p, 31. Cazeneuve começa por reconhecer que o termo «audiovisual» é ambíguo e foi por uma elipse desastrada, mas consentida de agora para o futuro, que a rádio ou a projecção são audiovisuais. Rigorosamente deveria falar-se de «técnicas auditivas, visuais e audiovisuais». Depois, Cazeneuve lembra que o audiovisual foi, antes de mais, audiovisual de ensino. A princípio foi consagrada unicamente à utilização pedagógica das imagens e dos sons técnicos (projecção fixa, rádio e televisão). Caberá agora ao ensino saber viver com essa aberração terminológica? - pergunto eu.
(Atenção: para maior facilidade na leitura do ensaio que se segue, deve activar o número de cada nota (x). Isso levá-lo-á à zona das notas que, no final de cada uma conta com a indicação -- up que basta accionar para voltar à zona do texto em que antes se encontrava.)


Audiovisuais e Ensino
(c) Frederico Lopes, Covilhã 1998
 
 
Traçar uma panorâmica sobre o ensino do cinema em vários países, pelo menos naqueles países que deram maiores contributos para a história do cinema, legitima a escolha do tema deste meu ensaio e, simultaneamente, poderá servir para uma reflexão sobre os estudos cinematográficos nas universidades portuguesas. Embora peque por extensa, dada a natureza deste trabalho, é contudo uma panorâmica rápida e muito incompleta, se atendermos à vastidão do objecto implícito numa tal proposta.

Na ainda breve história do cinema, constata-se que, desde muito cedo,(1) o poder político se envolveu com o mundo da "sétima" arte.(2)Criando, apoiando ou mantendo os chamados cinemas nacionais; encorajando ou apoiando a indústria cinematográfica; abrindo escolas públicas especializadas em estudos cinematográficos e formando especialistas neste domínio, o Estado confere, por contaminação, a categoria de serviço público a uma actividade que, na sua relação com o público, começou por ser, graças à iniciativa privada de alguns pioneiros, um espectáculo de circo ou de feira. São várias as explicações possíveis para a compreensão deste fenómeno de apropriação, mas a vontade de instrumentalização política do novo medium afigura-se como uma das mais importantes.
O que se passou na União Soviética é disto um bom exemplo. O regime socialista, emergente da revolução de Outubro, reconhece ao cinema enormes potencialidades para a "educação das massas".(3) Em 1919, ao mesmo tempo que nacionaliza a indústria cinematográfica, o regime cria o GIK - Instituto de Cinematografia dos Estados da União Soviética, a primeira escola de cinema de que há memória. No GIK, professores e alunos improvisavam e faziam experiências com os reduzidos meios disponíveis. Aí tiveram início as primeiras formulações teóricas do cinema, como os trabalhos pioneiros de Lev Kuleshov sobre a montagem. Dentre os seus mais ilustres mestres destacam-se Pudovkin e Eisenstein. A escola, coerente com os princípios internacionalistas da revolução, abriu as suas portas a estudantes estrangeiros, sobretudo dos países de leste e africanos. Desse modo, aí se formaram cineastas como a húngara Marta Meszaros, Konrad Wolf da Alemanha de Leste, Ousmane Sembene do Senegal e Souleymane Cissé do Mali. Os cursos ministrados tinham a duração de cinco anos e os programas incluíam a realização, representação, história e teoria do cinema. Logo no segundo ano, os alunos começavam a filmar em 35mm.
Depois da segunda guerra mundial, o VGIK(4) serviu de modelo a escolas de cinema em numerosos países europeus, sobretudo no bloco de Leste. A FAMU(5) é disto um bom exemplo na Checoslováquia, país que conta ainda com a Escola de Cinema de Bratislava, onde se formou Ján Kadár, realizador e guionista de "The shop of main street", filme galardoado com dois óscares. A Hungria aplicou o mesmo modelo na Academia para o Teatro e Arte Cinematográfica de Budapeste.(6)
A Escola de Cinema de Lódz foi o berço dos mais significativos cineastas polacos.(7) Para além dela, podem ainda referir-se a Academia de Belas Artes de Cracóvia e a Universidade de Varsóvia onde existem estudos cinematográficos.
A Jugoslávia contava com a Academia das Artes do Teatro, Cinema, Rádio e Televisão sediada em Belgrado e, de entre os "seus filhos" podem destacar-se Jovan Acin e Dusan Makavejev.
O Centro Sperimentale di Cinematografia (C.S.C.), a mais antiga escola de cinema da Europa Ocidental, foi criado em Roma pelo regime de Mussolini, em 1935, sendo liderado nos seus primeiros oito anos por Luigi Chiarini. Hoje é dirigido por Ernesto G. Laura e continua a ser financiado pelo governo italiano, sendo um centro de investigação responsável por importantes estudos teóricos, de que se destaca a publicação periódica Bianco e Nero. Nesta escola passaram nomes célebres como Michelangelo Antonioni, Marco Bellocchio, Liliana Cavani, Giuseppe De Santis, Luigi Zampa e aí se formou também o realizador cubano Tomás Gutiérrez Alea.(8)
Na Alemanha, é a necessidade de fazer propaganda, integrada numa estratégia de guerra, que vai justificar a iniciativa e o apoio do governo alemão à indústria cinematográfica, através da UFA.(9) Este proteccionismo político, que soube envolver no projecto os sectores mais importantes da indústria pesada alemã, a Krupp incluída, é justamente apontado como um dos factores que estiveram na génese do expressionismo no cinema.
Em França, o IDHEC - Institut Des Hautes Etudes Cinématographiques, fundado pelo governo francês em 1943 e dirigido por Marcel L'Herbier, oferece formação em todos os aspectos da produção bem como na história, teoria e crítica do cinema. Nos anos do pós-guerra, a sua reputação cresceu e a escola atraiu um corpo impressionante de estudantes internacionais. Nela se formaram grandes cineastas como, Louis Malle, Volker Schlöndorff, Nelson Pereira dos Santos, Costa-Gavras ou Theo Angelopoulos. Se as "vedetas" internacionais são de vulto, convém não esquecer os franceses Alain Resnais; Claude Sautet, que escreveu o guião de "Borsalino"; Jean-Jacques Annaud, realizador de "A guerra do fogo" ou de "O nome da Rosa"; Yves Boisset; Alain Cavalier; Henri Colpi ou ainda George Sluizer. Em 1986, o IDHEC fundiu-se com a FEMIS - Fondation Européenne des Métiers de l'Image et du Son, uma instituição privada.(10)
A Espanha contava com a Escola Oficial de Cinematografia (11) e o Instituto de Investigaciones y Experiencias Cinematograficas em Madrid.(12)
No Reino Unido é fundado, em 1933, o Instituto de Cinema Britânico (British Film Institute - BFI) para apoiar a produção cinematográfica e, ao mesmo tempo, encorajar os estudos de cinema. Sediado em Londres, tem três grandes componentes: o National Film Theatre que promove o Festival de Cinema de Londres; O Arquivo Nacional de Cinema e a Film Distribution Library. Com grandes apoios governamentais, o BFI publica "Sight and Sound" uma prestigiada publicação periódica, bem como livros críticos e manuais escolares na área do cinema.(13)
A Índia, um dos maiores produtores mundiais de cinema, tinha em Bombaim, Calcutá e Madras os principais centros de produção, ainda durante a colonização inglesa (o que pode ser significativo). Em 1960, foi criado o Instituto de Cinema e Televisão(14) e a Corporação para o Financiamento do Cinema, que passou a financiar projectos experimentais de realizadores do Cinema Novo Indiano. Em 1964 foi criado o Arquivo Nacional do Cinema.
Nos Estados Unidos da América é criado, em 1967, em Washington, o American Film Institute - AFI, organização privada sem fins lucrativos, com o objectivo de preservar a herança da arte cinematográfica e promover o seu avanço na América. Os fundos provêem do Fundo Nacional para as Artes e dos contributos da indústria cinematográfica e televisiva. O AFI possui, em Greystone, um Centro para Estudos Avançados de Cinema, ricamente equipado, onde é dada oportunidade aos alunos para realizarem os seus próprios filmes e estabelecerem importantes contactos com a indústria cinematográfica.(15)
Chen Kaige, que realizou "Farewell, my concubine", em 1993, é o nome mais conhecido dentre os realizadores chineses que frequentaram o Instituto de Cinema de Pequim. Àquele nome pode juntar-se o de Zhang Yimou, realizador de "Raise the red lantern", de 1991, em que participou, como produtor executivo, Hou Hsiao-Hsien, formado na área de cinema pela Academia Nacional de Artes de Taiwan e que se afirmou, igualmente, como realizador de cinema.
Os exemplos são muitos. Basta percorrer a longa lista de países para encontrar, em quase todos eles, instituições públicas para a promoção, divulgação e desenvolvimento da arte cinematográfica ou para confirmar os apoios explícitos à sua indústria. Mas, se os apoios oficiais à indústria cinematográfica se traduzem, também, na criação de escolas especializadas, é contudo muito recente a introdução dos estudos cinematográficos nas universidades ou, o que seria mais importante ainda, a criação de cursos superiores específicos de cinema. Mais recente ainda, é o estudo que aí se passou a fazer da escrita para cinema. Contudo, atendendo à juventude do próprio cinema, é curioso verificar como a Instituição Universitária veio, rapidamente, reconhecer a importância deste novo meio de expressão e comunicação. Digamos que a Universidade, ao reconhecer a pertinência destes estudos, vem, de certo modo e pela positiva, tomar partido na discussão inicial sobre a legitimação e afirmação da arte cinematográfica, mas, para além disso, a Universidade vem reconhecer, reafirmar e demonstrar a dimensão social e estética do cinema.
Os Estados Unidos foram pioneiros na abertura do ensino superior ao cinema. A partir de meados dos anos 60, os estudos cinematográficos são introduzidos nos curricula universitários. Esta medida pode ser vista como uma reacção ao estado de crise do cinema americano de então, ameaçado pela concorrência da televisão e pela mudança exigida pelo movimento da nouvelle vague americana, réplica da nouvelle vague francesa, caracterizada pela forte contestação ao chamado "cinéma du papa".(16) Resta saber até que ponto esta medida, para além de outras, poderá ser responsável pelo sucesso comercial e hegemonia mundial da indústria cinematográfica americana, já que não parece haver dúvidas de que esta política é implementada para satisfazer as necessidades prementes de renovação dessa mesma indústria. Certo é, também, que a criação de departamentos de cinema nas escolas contribuiu, largamente, para o desenvolvimento da teoria do cinema e dos estudos cinematográficos.
Em meados dos anos 80, quase todas as escolas americanas tinham o seu departamento de estudos cinematográficos e, à medida que a popularidade do cinema crescia, as escolas de cinema tornaram-se num dos sectores de maior crescimento económico no "negócio" da educação.(17) Vejamos então a situação actual do ensino do cinema e do guionismo, em algumas escolas superiores dos EUA, a que alguém chamou os viveiros de Hollywood.(18)
No Ithaca College de Nova York há quatro cursos de escrita de guiões: um para ficção e documentário; outro para rádio; um terceiro para televisão (no qual se incluem guiões para filmes publicitários) e ainda um curso mais avançado de escrita de guiões para todos os media. Na Universidade do Texas, em Austin, existe, para além de um curso de cinema, um curso de "prática da escrita para filmes e media electrónicos".(19) Na Ohio State University existe um curso de guionismo para cinema e televisão. Na Temple University de Filadélfia existe um Departamento de rádio, televisão e cinema. Na Universidade de Miami, em Cral Gables, na Flórida, há uma especialidade em escrita para o cinema ou para a televisão.
A Universidade de Nova Iorque (NYU) oferece, desde 1980, cursos especializados em escrita para o cinema, televisão e teatro, com a duração de quatro anos e que permitem obter um "BA" em Belas Artes. Nela estudou cinema o realizador britânico Jim Sheridan.(20) O departamento artístico da Universidade de Columbia, em Nova Iorque, insiste sobretudo no cinema narrativo e dramático, proporcionando ao mesmo tempo uma formação histórica e teórica que permite aos alunos enveredar, quer pela prática, quer pela crítica cinematográfica. A escrita de guiões é, juntamente com a produção a realização e a cultura geral, uma das três disciplinas mais importantes, contando com Miloš Forman e Frank Daniel para leccionar disciplinas de escrita de guiões. A UCLA, Universidade de Califórnia em Los Angeles, tem um dos programas mais completos de escrita de guiões.(21) Na Universidade da Califórnia do Sul (USC) há um curso de guionismo em que estudou Martin Scorsese tendo, enquanto aluno, escrito o guião de "After hours", como refere o seu professor Frank Daniel.(22) Também aí estudou cinema o realizador britânico James Ivory, três vezes nomeado para os óscares.(23)
No Canadá, a Universidade de Toronto teve o seu primeiro curso de estudos cinematográficos creditado em 1975. Análise do cinema, história do cinema e teoria do cinema são os três cursos fundamentais mas, para além disso, os estudos cinematográficos têm na Universidade de Toronto uma característica interdisciplinar. Vários cursos incluem na sua estrutura curricular disciplinas de estudos cinematográficos: no curso de Antropologia a disciplina de Filme Etnográfico; no de História, a Cultura Popular Americana; no de Religião, a disciplina de Aspectos Religiosos em Fellini e Bergman e em Sociologia, a Sociologia do Cinema. Norman Jewison, David Cronenberg, Atom Egoyan são alguns dos nomes mais sonantes de cineastas formados por esta escola.(24)
Ainda no Canadá, na Universidade de Montreal, existe o "GRAFICS - Groupe de Recherche sur l'Avènement des Institutions Cinématographique et Scénique" e, na Universidade Concordia de Loyola, em Montreal, existe um curso específico de guionismo para televisão e cinema. Realce também para o "Art Center College of Design" em que estudou Roger Avary, que veio a trabalhar com Tarantino, tendo conquistado um óscar, em 1994, com o guião de "Pulp fiction". Destaque, igualmente, para a Queen's University de Kingston, donde saiu Donald Brittain, famoso realizador de filmes documentários.
Na Bélgica, o estudo do guionismo é feito na Universidade de Liège, que conta também com o Centro de Estudos Cinematográficos e Criação Audiovisual e ainda com o Departamento de Artes e Ciências da Comunicação, o qual organiza actividades especiais, como o projecto "Scénario 90 - Méthodes de travail", dedicado à escrita dos guiões.(25)
Em 1988, foi criado um certificado europeu de literatura de cinema e de televisão (Élicit) na Universidade Livre de Bruxelas. Refira-se ainda o Institut Supérieur des Arts du Spectacle et Techniques de Diffusion (INSAS) em que se formou a realizadora e guionista Chantal Akerman e, finalmente, o caso de sucesso de Rémy Belvaux, André Bonzel e Benoit Poelvoorde, os jovens autores (realização, guião e produção) do filme "C'est arrivé près de chez vous",(26)trabalho final de curso na Escola de Cinema de Bruxelas.
Em França encontramos os estudos cinematográficos na "École Technique de Photographie et de Cinématographie" de Paris, donde partiram Philippe de Broca, que alcançou uma nomeação com "That man from Rio", em 1964; ou Jacques Demy, também nomeado com "The umbrellas of Cherbourg". Há ainda, em Paris, a Escola de Cinema de Vaugirard, onde se formou Euzhan Palcy, realizador de "A dry white season", de 1989, filme em que Marlon Brando foi nomeado como actor secundário. Por esta escola passou também Agnès Varda. Na Escola de Belas Artes de Paris, para além do grande Georges Méliès, formou-se Maurice Pialat e na "École Nationale de la Cinématographie" formou-se Bob Swaim.(27)
No Reino Unido começo por referir a Escola Nacional de Cinema e a Universidade de Londres em cujo Departamento de Arte se formou Alfred Hitchcock. Promovem ainda os estudos cinematográficos: a Universidade de Bristol; a "RADA" em Londres, frequentada por Peter Watkins, realizador do célebre documentário "The war game"(28) produzido pela BBC e pelo "BFI - British Film Institut"; a "National Film and Television School", onde estudou Michael Radford (29) ou Julien Temple; a "Camberwell Art School" de Londres, onde estudou Mike Leigh, realizador e guionista de "Naked"; o "Royal College of Art" de Londres, onde estudaram Ridley Scott (30) e Tony Scott, o realizador do comercial e sucesso de bilheteira, "Top gun". Alexander Macendrick (31) estudou cinema na Escócia, na "Glasgow School of Art".
Munique, que se afirma como um centro de grande vitalidade artística na Alemanha, conta com várias escolas onde são contemplados os estudos cinematográficos. Da Universidade de Munique surge Werner Herzog, na "Arts und Crafts" estudou Fritz Lang e na "Hochschule für Film und Fernsehen" (Escola de Cinema e Televisão de Munique), Wim Wenders , entre 1967 e 1970, ainda como estudante, realizou vários filmes. Aí estudaram também Percy Adlon, Roland Emmerich e Doris Dörrie realizador de "Men" (1985). A Universidade de Berlim conta igualmente com os estudos cinematográficos.
Na Austrália, que nos vem surpreendendo com uma cada vez mais pujante indústria cinematográfica, há a referir o "Australian Film Institute", a Escola Nacional de Cinema e Televisão e a "Australian National Film School", onde estudou Phillip Noyce, que em 1960 conquistou o prémio da "AFI - Australian Film Industry", para a melhor curta metragem. Outro nome sonante é o de Peter Weir: estudou Arte na Universidade de Sydney; foi nomeado em 1985, com "Witness", para melhor realizador; voltou a ser nomeado para o mesmo galardão, em 1989, com o filme "Dead poets society" e, em 1990, foi nomeado para o óscar de melhor guião original com o filme "Green card". Mel Gibson, vencedor de dois óscares com "Braveheart", de 1995, estudou no "National Institute of Dramatic Art" em Sydney. A Universidade de Melbourne tem um curso de cinema, no qual estudou o realizador George Miller, conhecido pela realização de "Mad Max" e recentemente pela produção e guião de "Babe", realizado por outro aluno da mesma escola, Chris Noonan.
A Nova Zelandeza Jane Champion, uma antiga aluna da "Australian Film Television and Radio School (AFTRS)" em Sydney, conquistou a palma de ouro para a melhor curta metragem, no Festival de Cannes, em 1986, com "Peel". No ano seguinte, foi a vez de Laurie McInnes, também antiga aluna daquela escola, conquistar idêntico galardão, com o filme "Palissade". Outras alunas desta escola foram Gillian Armstrong realizadora de "Little women" e Jocelyn Moorhouse.
No Japão, outra das referências obrigatórias da história do cinema, entre várias universidades e escolas onde existem estudos cinematográficos, destacam-se a "Mieiji Gakuin University",(32) que tem, no Departamento de Artes Liberais, um curso de cinema, cujo programa está concebido para futuros críticos da arte cinematográfica. A "Nihon Daigaku",(33) a maior universidade privada do Japão, proporciona, através do seu Departamento de Arte, um dos melhores cursos de cinema frequentado por grandes realizadores, actores e guionistas japoneses. Os seus programas dão grande ênfase a todas as etapas da produção cinematográfica. Kon Ichikawa, realizador de "Dodes'Ka-Den", obra de 1970, estudou animação na Escola Comercial Ichioka de Osaka.
No Brasil, a Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo possui um Departamento de Cinema, Rádio e Televisão. A licenciatura em cinema foi concebida em 1962, juntamente com a criação da Universidade de Brasília. Em 1990, assistiu-se à reformulação curricular e reestruturação do curso que reabrirá neste ano de 1997.
Na cidade do México, no Centro Universitário, existe um curso de cinema onde se formou o realizador de "Dona Herlinda y su hijo", Jaime Humberto Hermosillo.
Barcelona, capital do cinema espanhol até à guerra civil, conta hoje com os Estudos de Cinema na Universidade de Barcelona. Em 1983, foi criado nessa universidade o Centro para a Investigação Cinemática - Film-Historia, concebido segundo o modelo doutros Centros famosos como o "Historian's Film Committee", o Instituto Jean Vigo e a International Association for Media and History (IAMHIST).
Mas a vizinha Espanha conhece, a partir dos anos 90, um forte implemento dos estudos cinematográficos. Alejandro Amenábar, jovem estudante de Ciências da Informação na Universidade Complutense de Madrid, na XI edição dos Prémios Goya,(34) foi galardoado pelo melhor filme e pelo melhor guião original com o filme "Tesis". No mesmo festival, Pilar Miró, ex-aluna da Escola Oficial de Cinematografia (EOC) na qual foi professora de guionismo e montagem, nos últimos anos de vida daquela escola, conquistou o galardão para o melhor guião adaptado para o filme "El perro del hortelano" de Enrique Cerezo. Em 1992, Pilar Miró já havia ganho um urso de prata, em Berlim, com o filme "Beltenebros". Em Coruña, na Galiza espanhola, salienta-se a "Escola de Formacion Profesional de Imaxe e Son", adstrita à Conselleria de Educación e Ordenación Universitária da Xunta de Galicia. Esta escola tem mantido cooperação com algumas escolas portuguesas, nomeadamente o Instituto Multimedia do Porto no qual já realizou um curso de guionismo.(35)
Bem próximo de nós, temos ainda o exemplo da Universidade de Salamanca, onde foi criada a licenciatura em Comunicação Audiovisual.(36)
De quanto já foi mencionado, não parecem restar dúvidas quanto ao interesse e real apoio que a maior parte dos países, através de organismos públicos, dedicou aos estudos do cinema. É também tido como certo que, a partir dos anos 60, esses estudos encontraram eco nas instituições universitárias. Pode concluir-se ainda que, em vários desses países, naqueles em que, com propriedade, se pode falar de indústria e arte cinematográficas,(37) se constata a existência de cursos superiores de estudos cinematográficos e que dessas escolas saíram grandes realizadores e guionistas.
Mas, não se fica a dever apenas aos esforços oficiais a inclusão dos estudos cinematográficos no ensino superior (até porque, em países como os EUA, as escolas superiores beneficiam, há muito tempo, de grande autonomia e também da iniciativa privada). Se tivermos ainda presente a influência dos cineclubes e das chamadas art houses (38) nas Escolas e Universidades, podemos dizer que o cinema, certo cinema, se insinuou na Instituição Universitária, pela iniciativa e esforço da sociedade civil. O cinema clássico, em reposição, bem como a exibição do novo cinema, normalmente de produção independente, exibidos nessas salas, muitas vezes situadas nas proximidades das universidades, eram destinados a uma audiência especializada, já que apelavam a um público mais sofisticado e culto. Art houses e Universidades partilham uma audiência culta e educada.
Hoje, com a proliferação das universidades, os jogos de influência assumem contornos em que é possível ver uma dinâmica de sentido inverso. Na Covilhã, por exemplo, foi a Universidade que trouxe consigo o cineclubismo.(39)
Mas vejamos então, e para finalizar, a situação em Portugal. Também entre nós o poder político financiou e apoiou o cinema nacional, pensando sobretudo nas capacidades de propaganda deste meio de comunicação.(40) Hoje, com outros objectivos que se prendem com uma política europeia para o audiovisual, é o IPACA - Instituto Português da Arte Cinematográfica e Audiovisual, a face visível e polémica do poder político, que tenta estabelecer as regras para a realização e produção audiovisuais.
Do que me é dado saber, e a partir de informações fornecidas pelo próprio IPACA, é este o panorama do ensino dos audiovisuais em geral e do cinema em particular, no nosso país: não há cursos específicos de estudos cinematográficos em qualquer Universidade Portuguesa. Também é verdade que não se pode falar de indústria cinematográfica portuguesa e não deixa de ser interessante a possibilidade de estabelecer relações de causa e efeito entre este fenómeno e o facto de não haver um único curso superior de cinema em Portugal, para tentar explicar o estado de fragilidade do cinema português.
Porém, existem cursos, como os de Ciências da Comunicação, na Universidade Nova de Lisboa e na Universidade da Beira Interior, que incluem na sua estrutura curricular algumas disciplinas, obrigatórias ou de opção, com conteúdos programáticos na área do cinema, tais como: "História e teoria do cinema"; "Argumento de cinema e televisão" ou a de "Guionismo".
Algo diferente é a situação na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, que em 1986 se tornou depositária de um importante fundo bibliográfico legado pelo Clube de Cinema de Coimbra. Responsabilizando-se pela dinamização deste fundo, que colocou ao serviço de uma reflexão sobre a história e estética do cinema, a Faculdade de Letras introduziu os estudos fílmicos como uma área de ensino e investigação na Universidade de Coimbra, criando o Núcleo de Estudos Cinematográficos que veio dar lugar à actual Sala de Estudos Cinematográficos. As primeiras experiências didácticas ocorreram no âmbito do Curso de Língua e Cultura Portuguesa para Estrangeiros com a disciplina de "Caminhos do Cinema Português", sendo em 1993 introduzida também a disciplina de "História do Cinema Português". A disciplina de "História e Estética do Cinema" passou a ser leccionada a partir de 1992 como disciplina de opção aberta aos alunos de todas as licenciaturas da Universidade de Coimbra.
Esclarecedora será a análise dos dados que apresento, em tabela, no final deste apêndice. Indiscutível é o grande interesse que os estudos cinematográficos, em particular, e os audiovisuais em geral, estão a despertar actualmente em Portugal. Este súbito interesse pelos audiovisuais, que faz lembrar a situação dos anos 80 nos EUA, e que é também extensivo às universidades, fica a dever-se a várias razões. Porque os audiovisuais fazem parte do grande aparato tecnológico que constitui o «elemento invariável»(41) da cultura de massas e, tendo embora chegado mais tarde a Portugal, não é possível estudar a cultura de massa e a rede de mass media ignorando os meios técnicos que se cruzam e se relacionam com os meios de comunicação de massa (mass media audiovisuais para utilizar a classificação proposta por Cazeneuve).(42) Além disso, e como refere ainda Cazeneuve, o audiovisual foi, antes de mais, audiovisual de ensino. Esteve associado inicialmente ao ensino, não como objecto de estudo mas como meio auxiliar ou complementar de "utilização pedagógica das imagens e dos sons técnicos (projecção, cinema, rádio e televisão)". Terá chegado agora o momento de o ensino retribuir o carácter utilitário dos meios com a devida reflexão teórica.
Olhemos à nossa volta, entre os nossos pares, e aí está, não apenas a proliferação dos cursos superiores de comunicação, mas também a inclusão de disciplinas da área dos audiovisuais integradas nas estruturas curriculares desses e doutros cursos. As características de "moda" também atingiram as instituições universitárias, as quais tornaram quase obrigatória a introdução das disciplinas de audiovisuais nos currículos de alguns cursos, visando, deste modo, responder à crescente procura ou, numa perspectiva de concorrência com outras instituições (para não ficar para trás), disputar potenciais alunos. A tratar-se apenas de mais um fenómeno de "moda", o que é pouco verosímil e dificilmente aceitável nos meios académicos, o tempo encarregar-se-ia de arrefecer e apagar este súbito entusiasmo. Não sendo tal, mas antes o valor intrínseco do próprio objecto de estudo o factor determinante, parece-me que o referido "estado das coisas" merece ser estudado.
Impõe-se, por isso, uma reflexão, não só para tentar encontrar a explicação para o actual estado das coisas, mas também e sobretudo para encontrar pistas para o futuro.(43)
Vamos continuar a conceder aos audiovisuais, como estamos a fazer com uma certa condescendência, a possibilidade de figurar como uma área de estudos complementares (muitas vezes disciplinas de opção) de outras áreas já afirmadas no ensino superior? Vamos apostar no estudos cinematográficos a nível do ensino superior, com autonomia, como acontece com a arquitectura, por exemplo?
Vamos apostar nos audiovisuais, enveredando por licenciaturas mais abrangentes, como acontece já em muitas universidades, incluindo nas estruturas curriculares, para além dos estudos cinematográficos, a televisão, a rádio, o vídeo ou o chamado multimedia?(44)
A listagem que adiante reproduzo diz bem da proliferação das citadas disciplinas de audiovisuais nas instituições de ensino. Uma leitura mais atenta diz-nos que, ao contrário do que acontece noutros países, como se demonstra ao longo deste preâmbulo, não existe em Portugal um curso superior exclusivamente dedicado ao cinema. A Escola Superior de Teatro e Cinema, integrada no Conservatório Nacional e no Instituto Politécnico de Lisboa, confere o grau de bacharelato em cinema, nas áreas de imagem, montagem, produção e som, num curso com a duração de três anos e mais um de estágio. Com uma reformulação adequada dos seus programas curriculares, o que passa pelo reforço da componente teórica, parece ser a escola que estaria em melhores condições para criar uma licenciatura em cinema.
 
 
 CURSO  ESTABELECIMENTO DE ENSINO
Antropologia
Universidade Fernando Pessoa - ex-Instituto Erasmus de Ensino Superior - Porto 
Artes Plásticas / Escultura Universidade da Madeira - Instituto Superior de Arte e Design
Artes Plásticas / Escultura  Universidade do Porto - Faculdade de Belas Artes
 Artes Plásticas / Escultura  Universidade de Lisboa - Faculdade de Belas Artes
 Artes Plásticas / Pintura  Universidade da Madeira - Instituto Superior de Arte e Design
 Artes Plásticas / Pintura  Universidade do Porto - Faculdade de Belas Artes
 Artes Plásticas / Pintura  Universidade de Lisboa - Faculdade de Belas Artes
 Ciências da Comunicação  Universidade da Beira Interior 
- UCP de Ciências Sociais e Humanas
 Ciências da Comunicação  UNI - Universidade Independente (Lisboa)
 Ciências da Comunicação  Universidade Fernando Pessoa 
- ex-Instituto Erasmus de Ensino Superior - Porto
 Ciências da Comunicação  UAL - Universidade Autónoma de Lisboa
 Ciências da Comunicação  Universidade do Algarve - Escola Superior de Educação
 Ciências da Comunicação - Áreas Audiovisual e Media Interactivos, Cinema, Comunicação Aplicada, Comunicação e Cultura, Jornalismo  Universidade Nova de Lisboa 
- Faculdade de Ciências Sociais e Humanas
 Ciências da Comunicação e Cultura - Especialização em Comunicação, Audiovisual e Multimedia, Gestão de Actividades Culturais e Jornalismo  Instituto Superior de Matemática e Gestão - ISMAG
 Cine-Video  Escola Superior Artística do Porto - Cooperativa de Ensino Superior Artístico
 Cinema - Áreas de Imagem, Montagem, Produção e Som  Instituto Politécnico de Lisboa - Escola Superior de Teatro e Cinema
 Cinema em 16 e 35 mm, Televisão, Cinema de Animação, Criação e Produção de Publicidade - cursos de extensão universitária (ainda não homologados)  Universidade Moderna
 Comunicação  ISLA - Instituto Superior de Línguas e Administração (Santarém)
 Comunicação e Jornalismo  Instituto Português de Estudos Superiores
 Comunicação Empresarial  Instituto Politécnico de Lisboa
- Escola Superior de Comunicação Social
 Comunicação Social  Escola Superior de Jornalismo (Porto)
 Comunicação Social  Instituto Politécnico de Viseu - Escola Superior de Educação
 Comunicação Social  Instituto Politécnico de Setúbal - Escola Superior de Educação
 Comunicação Social  Universidade do Minho - Instituto de Ciências Sociais - Braga
 Comunicação Social e Cultura  Universidade Católica Portuguesa - Faculdade de Ciências Humanas de Lisboa
 Design  Instituto Superior de Matemática e Gestão - ISMAG
 Design  IADE - Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing - Escola Superior de Design
 Design - Ramo Design de Comunicação  Universidade de Aveiro - Secção Autónoma de Comunicação e Arte
 Design - Ramo Design Industrial  Universidade de Aveiro - Secção Autónoma de Comunicação e Arte
 Design de Comunicação  Universidade de Lisboa - Faculdade de Belas Artes
 Design de Comunicação (Arte Gráfica)  Universidade do Porto - Faculdade de Belas Artes
 Design de Equipamento  Universidade de Lisboa - Faculdade de Belas Artes
 Design Industrial  Universidade Lusíada do Porto
 Design Industrial  Universidade Lusíada do Lisboa
 Design / Projectação  Universidade da Madeira - Instituto Superior de Arte e Design
 Engenharia Publicitária  Universidade Fernando Pessoa - ex-Instituto Erasmus de Ensino Superior - Porto
 Jornalismo  Instituto Politécnico de Lisboa - Escola Superior de Comunicação Social
 Jornalismo  Universidade de Coimbra - Faculdade de Letras
 Jornalismo e Comunicação  Instituto Politécnico de Portalegre - Escola Superior de Educação
 Marketing  Universidade Fernando Pessoa - ex-Instituto Erasmus de Ensino Superior - Porto
 Marketing e Publicidade  IADE - Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing - Escola Superior de Marketing e Publicidade
 Publicidade e Marketing - Dominantes Marketing e Publicidade  Instituto Politécnico de Lisboa - Escola Superior de Comunicação Social
 Relações Públicas  Universidade Fernando Pessoa - ex-Instituto Erasmus de Ensino Superior - Porto
 Tecnologia da Comunicação  Instituto Politécnico do Porto - Escola Superior de Educação e Escola Superior de Estudos de Indústrias e de Gestão

Nota: Os dados desta tabela foram gentilmente facultados pelo Instituto Português da Arte Cinematográfica e Audiovisual - IPACA, em 27 Junho de 1997


NOTAS:
 
1 - Contudo, Louis Delluc dizia, em 1918, que "os governos demoraram muito a servir-se do cinema, tendo em conta que o ecrã era mais eficaz que um discurso para as massas internacionais". In Le Film, nº 113, 13 Mai. -- up
2 - "Le cinéma est une merveille. On s'est mis a l'appeler le cinquième art. D'oú vient cette hiérarchie? Je n'aime pas beaucoup ce chiffre - numero qui évoque la proverbiale cinquième roue du carrosse. Si c'est un art, il n'est ni premier ni cinquième, il est soi, et voilà tout." Na altura em que Louis Delluc publicava estas linhas, que foram reunidas na obra "Cinéma & Cie: écrits cinématographiques II", ainda se pugnava pela autonomia e legitimidade do cinema como arte. Nesta guerra da numeração das artes, entre a designação atribuída pela primeira vez a Ricciotto Canudo e o protesto de Delluc, o cinema terá subido, ou descido, dois lugares na tabela... Penso como Delluc e não vejo qualquer necessidade ou vantagem em "numerar" a arte do cinema. -- up
3 - Em 1922 é criado o "Goskino" - Cinema do Estado - e em 1923 o "ProletKino". A importância que Lenine atribuía ao cinema veio a reflectir-se no "agitki", cinema como movimento de agitação e propaganda (agit-prop). Os jovens cineastas saíam das cidades e percorriam, nos célebres combóios de propaganda, as zonas rurais onde, tal como antes haviam feito os operadores dos Lumière, captavam, revelavam e exibiam as imagens cinematográficas, mas, sobretudo, exibiam os filmes do regime. Como noutras formas de "baixa" cultura, o objectivo era o de educar as massas iletradas no "verdadeiro" espírito comunista. Em 1934, Estaline institui no cinema soviético uma nova política artística conhecida por realismo socialista. -- up
4 - A partir de meados dos anos 30, o GIK passou a chamar-se VGIK. -- up

5 - FAMU - Escola de Cinema de Praga em que, no dizer de Miloš Forman, que aí complementou a formação adquirida na Universidade de Praga, realizadores veteranos apresentaram aos alunos "o sentido de liberdade, centenas de filmes e o carácter e estatura do povo que os rodeia... as coisas mais importantes que alguém lhes poderia dar." Aqui se formaram também Agnieszka Holland realizadora de "Europa, Europa" em 1991 com o qual foi nomeada para o melhor guião adaptado, Véra Chytilová, Vojtech Jasny, Jiri Menzel, Jan Nemec, Evald Schorm e Ivan Passer (o guionista de "O baile dos bombeiros" de Miloš Forman). Também aqui se formou, como realizador de cinema, o jugoslavo Emir Kusturika. -- up
6 - Zóltan Fábri, responsável pela nova vaga húngara, formou-se nesta Academia. Mas também Istvan Gaal, István Szabó, Pal Gabor, Miklós Jancsó, Károli Makk (vencedora em Cannes de um prémio especial do júri, em 1971). -- up
7 - Entre eles salientam-se Andrzej Wajda, Krzysztof Kieslowski, Roman Polanski, Jerzi Skolimowski e Krzysztof Zanussi. -- up

8 - Tomás Gutiérrez Alea foi nomeado em 1994 com "Fresa y chocolate" para o óscar de melhor filme estrangeiro. Em 1979 esteve presente no festival de Cannes, selecção oficial, com o filme "Los sobrevivientes" de que foi realizador e guionista. Em 1959 foi fundou, com Santiago Alvarez, o ICAIC - Instituto Cubano del Arte y Industria Cinematografica. -- up
9 - A criação da Universum Film Aktiengesellscaft (UFA), resulta de uma ordem do alto comando germânico, em 1917, durante a primeira guerra mundial, em parte para responder ao vilipêndio da imagem do "huno", intensificada com a entrada dos Estados Unidos (e do seu cinema) no palco da guerra. Este reconhecimento oficial do poder persuasivo do medium cinematográfico pressagia, segundo Ephraim Katz, em Baseline Encyclopedia of Film, o papel instrumental que o cinema irá desempenhar para inculcar a ideologia Nazi. -- up

10 - Aqui se desenha uma das rotas possíveis no desenvolvimento dos estudos cinematográficos. Trata-se, afinal, da aplicação de soluções bem conhecidas do liberalismo económico aos domínios do cinema,. -- up
11 - Jesús Martinez León, na revista do Cine Club Orhum, nº 5, no artigo "La escritura de guiones en España", lamenta a desaparição desta escola, em que, entre outros, se formou Victor Erice, realizador de "Espiritu de la Colmena". O desaparecimento da Escola Oficial de Cinematografia terá ocorrido por volta dos anos 80, deixando os guionistas abandonados à sua sorte e ao seu engenho. Refere ainda Jesús Martinez León que, só muito recentemente, esta situação se tende a inverter, precisamente com a introdução dos estudos cinematográficos (o guionismo incluído) nas universidades espanholas. -- up
12 - Aqui se formaram Carlos Saura, Juan Antonio Bardem e Luis Garcia Berlanga. -- up
13 - Esta instituição é procurada, também, por estudantes de vários cantos do mundo. Aí se formou em cinema o realizador suíço Claude Goretta. -- up
14 - Ketan Mehta formou-se neste Instituto e começou a sua carreira como produtor de televisão antes de passar a realizador e guionista. -- up
15 - Há quem veja nisto um investimento e a explicação para uma instituição privada "sem fins lucrativos". -- up
16 - Expressão utilizada por François Truffaut para caracterizar o tipo de cinema predominante, feito de cedências e dependências, contra o qual se rebelou o movimento da nouvelle vague. -- up
17 - In Cinema studies da Microsoft Cinemania. -- up
18 - Fay Kanin e Robert Wagner, Les viviers d'Hollywood? in Cinéma Action, nº 61, 1991, pp.118-131. -- up
19 - O realizador Tsui Hark, de Hong Kong , formou-se nesta Universidade. -- up
Sheridan foi nomeado para os óscares como realizador e autor do guião adaptado para o cinema, em 1989, com "My left foot" e em 1993 com "In the name of the father". -- up
20 - O realizador sueco Vilgot Sjöman, também actor no filme "Skammen" de Bergman, formou-se na UCLA. -- up
21 - in Cinéma Action, n.º 61, 1991, p.122. -- up
22 - Em 1966 com "A room with a view"; em 1992 com "Howards end" e em 1993 com " The remains of the day". -- up
23 - in http://www.utoronto.ca/cinema/deptinf ---- up
24 - Philippe Dubois, Liège: le scénario à l'Université, in Cinéma Action, n.º 61, 1991 . pp. 96-99. -- up
25 - Um filme controverso que, em português, mereceu o complemento de título "Manual de instruções para crimes banais", e em inglês o título de "Man bites dog". Despertou grande interesse na Semana da Crítica em Cannes, em 1992, onde conquistou o "Prix SACD Semaine de la Critique", o "Prix International de la Critique" e o "Prix Spécial de la Jeunesse". -- up
26 - Realizador e guionista de "La Balance" de 1982. -- up
27 - Conquistou o óscar de melhor produção em 1966. -- up
28 - Realizador do filme "1984", que explora a figura do "big brother", foi nomeado em 1995 com o filme "The Postman/Il Postino" (O carteiro) para o melhor realizador e melhor guião adaptado. -- up
29 - Nomeado para melhor realizador em 1991 com "Thelma & Louise". Neste filme, Callie Khouri acabaria por conquistar o óscar para o melhor guião escrito especificamente para o cinema. -- up
30 - "The man in the white suit" que realizou, e para o qual escreveu o guião, foi nomeado em 1952 para o óscar para o melhor guião. -- up
31 - in http://www.aiej.or.jp/jcu/13pref/1332.html ---- up
32 - in http://www.aiej.or.jp/jcu/13pref/1340.html . Aqui estudou Inoshiro Honda, o realizador de "Ran". -- up
33 - Os prémios Goya são promovidos pela Academia de Las Artes y las Ciencias Cinematograficas de España, desde 1986. -- up
34 - Este curso foi ministrado por Daniel Domínguez, Chefe de Estudos e Professor de Narrativa Audiovisual e Guião na Escola de Imaxe e Son. -- up
35 - A licenciatura em Comunicação Audiovisual foi criada em 1994 e está adstrita à Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Salamanca. Nas páginas da sua divulgação na Internet lê-se que esta licenciatura oferece uma sólida base humanística, para além de uma projecção para o futuro, baseando-se nas novas tecnologias da informação e da comunicação. In http://gugu.usal.es/~fccss/cav/HTM/cav ---- up
36 - Não se pretende estabelecer aqui qualquer relação de causa e efeito. -- up
37 - Art house é uma sala de espectáculos destinada à exibição de filmes dirigidos a um público "alvo" especializado, com apetência e gosto pelos clássicos e pelo novo cinema, muitas vezes estrangeiro ou de produtoras independentes. Porque estes filmes apelam a um público mais culto e sofisticado, as art houses cresceram muitas vezes junto das escolas e universidades. Em 1955, é criada, em Paris, a International Confederation of Art Houses (CICAE). Entre os distribuidores que se especializara em alimentar este circuito salienta-se a Miramax, October Films; Sony Classics e a Samuel Goldwyn Company. -- up
38 - Apenas como curiosidade, posso referir que a maioria dos actuais sócios do Cineclube Universitário da Covilhã são alunos do curso de Ciências da Comunicação da UBI. -- up
39 - Quanto a esta matéria veja-se Alves Costa, Breve história do cinema português: 1896-1962, Lisboa, Instituto de Cultura Portuguesa, 1978 . É esclarecedora a nota marginal (2) pp. 121-128. Na mesma obra se refere ainda, na p. 19, que a 1ª República decretou no sentido de "introduzir o filme na Escola como instrumento auxiliar do ensino" e lamenta-se ter sido esse decreto letra morta. -- up
40 - Luiz Costa Lima, Comunicação e cultura de massa, in Adorno et al. Teoria da cultura de massa, Rio de Janeiro, Saga, 1969, p. 53. -- up
41 - Jean Cazeneuve, dir. Guia alfabético das comunicações de massas . Lisboa: Edições 70, 1976 . pp. 30-33. -- up
42 - Apostando na sua autonomia, duvido que o estudo dos audiovisuais (pensando não apenas em termos de saídas profissionais, o que não deixa de ser um dos aspectos decisivos) seja um investimento de risco no futuro. Reproduzo as palavras de Panofsky em "estilo e meio no filme": "Queiramos ou não, os filmes é que moldam, mais do que qualquer outra força isolada, as opiniões, o gosto, a linguagem, a vestimenta, a conduta e até mesmo a aparência física de um público que abrange mais de 60% da população da terra. Se todos os poetas líricos, compositores, pintores e escultores sérios fossem forçados pela lei a cessar as suas actividades, uma fracção bem pequena do público em geral tomaria conhecimento do facto e uma outra ainda menor iria lamentá-lo seriamente. Se a mesma coisa acontecesse com o cinema, as consequências sociais seriam catastróficas." Se isto me parece verdade para o cinema, hoje se-lo-á indiscutivelmente também para a televisão. A sua falta seria igualmente sentida e protestada como se faltasse a água nas torneiras, a electricidade ou o gás ao domicílio, para mencionar os "ingredientes" já utilizados por Valéry. -- up
43 - Trata-se de outro termo ambíguo já que qualquer audiovisual utiliza pelo menos dois meios, o visual e o auditivo. Fala-se de multimedia como a combinação de som, gráficos, animação, e vídeo. No domínio da informática, o multimedia é uma subdivisão do hipermédia, que combina os elementos do multimedia com o hipertexto, que serve para interligar as informações. -- up
44 - João Botelho (produtor, realizador, guionista e editor de "Um adeus português" e de "Tempos difíceis") estudou nesta Escola. Também no Conservatório Nacional, mas na Escola de Artes e Técnicas Teatrais, se formou Maria de Medeiros. -- up

  

Covilhã, Janeiro de 1998
 Para submeter textos clique aqui
index    |    autores    |    títulos    |    escolas    |    ano    |    recursos
Catarina Moura